O Dia do Trabalhador no Cinema

Para homenagear esse Dia do Trabalhador, o Capitalismo em Desencanto traz alguns filmes inspirados nas lutas dos trabalhadores de todo o mundo.

1. A Greve (1925) 

Título original: Stachka

Direção: Sergei M. Eisenstein

No primeiro longa do grande mestre da vanguarda do cinema soviético, operários entram em greve na Rússia Czarista e são violentamente reprimidos. O predescessor de O Encouraçado Potemkin é conhecido por suas sequencias de montagem, subretudo a que alterna o ateque aos grevistas com imagens de gado sendo abatido.

 

2. Pride (2014)

Título original: Pride

Direção: Matthew Warchus

O drama cômico conta a história de uma greve de mineiros na Inglaterra de Margaret Tatcher surpreendidos pela ajuda de ativistas do movimento gay. O filme recebeu o prêmio Queer Palm no Festival de Cannes.

 

 

3. Eles Não Usam Black-Tie (1981)

Título original:  Eles Não Usam Black-Tie

Direção: Leon Hirszman

Baseado na peça de mesmo nome de  Gianfrancesco Guarnieri e estreado em 1958 no Teatro de Arena, o filme retrata o conflito familiar que divide um pai, líder grevista, e seu filho, que decide furar a greve por causa de sua esposa que está grávida.

 

 

4. Pão e Rosas (2000)

Título original: Bread and Roses

Direção: Ken Loach

Duas imigrantes mexicanas que trabalham como faxineiras em um prédio comercial nos Estados Unidos lutam pelo direito à greve, colocando em risco seus empregos e estadia no páis. Entre outros, recebeu o prêmio de melhor filme europeu no Festival do Rio de 2000.

 

 

5. Tempos Modernos (1936)

Título original:  Modern Times

Direção: Charles Chaplin

Talvez o mais conhecido entre as clássicas comédias de Chaplin, Tempos Modernos nos confronta com a maquinização da vida de um trabalhador fabril.

6. Germinal (1993)

Título original:  Germinal

Direção: Claude Berri

Baseado na novela homônima de Émile Zola, Germinal é a história de uma greve de mineiros no Norte da França, nos anos 1860. No drama, até então o mais caro do cinema francês, a greve é duramente reprimida pelas autoridades.

 

 

7. Billy Elliot (2000)

Título original:  Billy Elliot

Direção: Stephen Daldry

Também ambientado na greve de 1984, o filme tem como protagonista o filho de um mineiro enfrentando os estereótipos de masculinidade ao aspirar a carreira de dançarino.

8. 1900 (1976)

Título original:  1900

Direção: Bernardo Bertolucci

Nete épico do cinema italiano, Bertolucci põe em cena dois homens de origens sociais opostas, um filho de proprietário de terras e o outro  um camponês bastardo, no conturbado início de século, com a ascensão do Fascismo.

 

 

10. Norma Rae (1979)

Título original:   Norma Rae

Direção: Martin Ritt

Numa pequena cidade do sul do Alabama, Norma Rae (Sally Field) é convencida pelo sindicalista Reuben Warshowsky (Ron Leibman) a se engajar no sindicalismo para lutar por melhores condições dos trabalhadores na indústria têxtil local.

11. A Classe Operária vai ao Paraíso (1971)

Título original:  La classe operaia va in paradiso

Direção: Elio Petri

Um operário, Lulu Massa (Gian Maria Volonté), depois de sofrer um acidente de trabalho em que perde um dedo se aproxima de grupos de esquerda radicais.

 

 

12. Os companheiros (1963)

Título original:  I compagni

Direção: Mario Monicelli

No final do século XIX um grupo de operários grevistas em Turim decidem radicalizar seu movimento. O filme mostra as dificuldades do movimento grevista bem como a repressão que ele enfrenta.

 

 

13. A Terra Treme (1948)

Título original:  La Terra Trema

Direção: Luchino Visconti

Numa pequena vila de pescadores na Itália uma família de trabalhadores pescadores são convencidos pelo filho mais velho a hipotecar a casa para investir na pesca e venda na tentativa de não terem que lidar com os comerciantes atacadistas. O filme é uma adaptação do livro I Malavoglia do escritor Giovanni Verga.

14. A quem pertence o mundo?(1932) 

Título original:   Kuhle Wampe oder: Wem gehört die Welt?

Direção: Slatan Dudow

Escrito por Bertolt Brecht, retrata a história de uma família levada pelo desemprego a se mudar para um acampamento nas cercanias de Berlin em plena crise da República de Weimar. Censurado em 1932, foi relançado com cortes após protestos. Não foi visto novamente até o fim da Guerra e hoje encontra-se restaurado.

Sobre Mariana Bedran Lesche

Ex-historiadora de profissão e ainda de coração, ex-professora - mas eternamente explicadora -, ex-outbacker, tentativa de programadora e metida a designer por teimosia. Apaixonada por fotografia e lutas. Comunista por convicção e antes de tudo por amor.
Esse post foi publicado em Cultura. Bookmark o link permanente.

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s