Legalizar o aborto pela vida das mulheres: links úteis

"As ricas abortam, as pobre morrem. Hipócritas!"

“As ricas abortam, as pobre morrem. Hipócritas!”

Ontem, dia 28 de setembro, foi  dia latino-americano de luta pela descriminalização e legalização do aborto. O coletivo do blog Capitalismo em Desencanto aproveita a data para demarcar a importância fundamental dessa questão dentre as pautas da esquerda.

A luta pela legalização do aborto envolve uma série de pontos sobre os quais precisamos ser irredutíveis: a laicidade do Estado, a autonomia das mulheres em relação ao seu próprio corpo, as desigualdades de classe e de gênero etc. Mas, principalmente, lutar para legalizar o aborto é defender a vida das mulheres. Pessoas que lutam pela criminalização do procedimento, auto-intituladas “pró-vida”, estão na verdade defendendo uma proibição que resulta na morte de inúmeras mulheres; elas impõem sua posição pessoal sobre o corpo de cada mulher, negando-lhes subjetividade, autonomia e, com frequência, a própria sobrevivência. É preciso, sim, ser pró-vida: pró-vida das mulheres.

Continuar lendo

Publicado em Gênero, Política | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário

Carta aberta de apoio ao Goleiro Aranha

Olá, Aranha. Espero que esta carta encontre-o bem, se um dia chegar a ti.

Escrevo para falar do assunto que te ronda no momento, e manifestar meu apoio. Uma coisa que tem que ficar claro é que tudo o que eu como não-negro posso oferecer é isso: apoio. Porque aprendi mais do que nunca sobre o racismo quando fui professor da rede pública estadual no Rio de Janeiro. Durante minha formação na Universidade, diversas leituras e discussões nunca foram o suficiente para me sensibilizar e ter ideia do quanto o racismo impregna as nossas relações sem que saibamos. Ou melhor, como é comum na nossa sociedade, reconhecia o racismo, mas ele nunca estava “em mim”, sempre no outro. Como tantos outros, reconhecia a existência do racismo, mas não conseguia identificá-lo, principalmente quando partia de mim. Continuar lendo

Publicado em Esporte | 1 comentário

A ascensão de Marina Silva e as perspectivas para o pós-eleições

Marina Silva no velório de Eduardo Campos, de quem herdou a candidatura à presidência

Marina Silva no velório de Eduardo Campos, de quem herdou a candidatura à presidência

As semanas que antecederam imediatamente a eleição presidencial de 2010 foram marcadas pela rápida e significativa ascensão da candidatura de Marina Silva, então filiada ao PV, que alcançou mais de 19 milhões de votos (19,3% dos votos válidos), terminando a corrida em terceiro lugar. Em agosto de 2014, a queda do avião em que viajava o candidato do PSB, Eduardo Campos, tornou a fazer de Marina – que compunha a chapa na condição de candidata à vice-presidência – uma postulante a ocupar o mais alto cargo da república.

Diferentemente do cenário de quatro anos atrás, a primeira pesquisa do Datafolha com Marina na cabeça de chapa – realizada nos dois dias seguintes à morte de Campos – já apontava para um elevado percentual de intenções de voto. Nas semanas seguintes, essas intenções cresceram ainda mais, a ponto da nova candidata do PSB virtualmente condenar o pleiteante do PSDB, Aécio Neves, a observar o segundo turno da arquibancada. Em pesquisa realizada pelo mesmo Datafolha nos dias 17 e 18 de setembro, Marina polarizava o cenário com a presidenta Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, tendo ambas, respectivamente, 30% e 37% das intenções de voto, enquanto Aécio patinava nos 17%. Continuar lendo

Publicado em Dossiê Democracia e Eleições, Política | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Sob qual democracia vivemos?

* Texto escrito por Ivan Martins, Lucas Hipólito e Marco Pestana.

O Congresso e o povo.

O Congresso e o povo.

A cada dois anos somos convocados a contribuir, por meio do depósito de votos digitais em urnas eletrônicas, para o fortalecimento de nossa galardoada democracia, nascida com a missão histórica de nos salvar do terror que envolveu o Brasil ao longo dos 21 anos de ditadura empresarial-militar entre 1964 e 1985. Entretanto, a cada nova convocação para a festa maior da democracia, nos deparamos com um insípido e limitado cardápio, em que as principais opções se reduzem a variações de algo que já experimentamos e não gostamos. Mesmo nos intervalos entre cada minguada porção de ração democrática bienal, cresce vertiginosamente a indisfarçável sensação de que a realidade cotidiana não corresponde ao idílico quadro de redenção e consolidação democrática do país. Assim, torna-se cada vez mais evidente que nem mesmo a onipresente cortina de fumaça lacrimogênea é capaz de seguir ocultando a pergunta que teima em se apresentar a cada esquina: sob qual democracia vivemos? Continuar lendo

Publicado em Dossiê Democracia e Eleições, Economia, Política, Teoria | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário

Eleições: o boicote, o voto nulo e o projeto revolucionário

*Texto escrito por Adolpho Ferreira a convite do Tim Marx.

Estamos às vésperas de novas eleições. Este momento tem grande importância para o debate mais aprofundado da conjuntura, da luta de classes, do Estado burguês, dos princípios de luta e da prática das organizações políticas no movimento da classe trabalhadora. No entanto, é necessário o questionamento sobre a forma de atuação diante das eleições da democracia burguesa. Como dizia Brecht, “nada deve ser natural”: a participação nas eleições não deve ser algo naturalizado para aqueles que lutam pela transformação profunda da sociedade.

O debate sobre a participação ou não nas eleições, sobre o voto nulo e o boicote às eleições, não é novidade na teoria revolucionária. São formas de atuação legítimas dos trabalhadores diante das eleições, sempre precedidas de avaliação da conjuntura e do movimento da classe trabalhadora. Desta forma, as questões que devem orientar a atuação dos revolucionários neste período eleitoral são: qual posição faz a luta de classes avançar mais a nosso favor? Que ação ou que propaganda deve ser realizada para fazer a consciência de classe avançar mais e, assim, favorecer a organização e a luta da classe trabalhadora? Continuar lendo

Publicado em Dossiê Democracia e Eleições, Dossiê Eleições, Ideologia, Política | Marcado com , , | 2 Comentários

Não me convidem pra essa festa pobre!

“Se votar mudasse alguma coisa, era proibido!” Sabedoria popular

Participação especial de Raphael Motta

Então é isso: depois da nossa linda festa do futebol, outubro tá aí, anunciando uma linda festa da democracia! Parece que o Superior Tribunal Federal fez algum pacote promocional com o Governo da Bahia e já vimos Carlinhos Brown, Daniela Mercury e Bell Marques nos chamando, super felizes e confiantes, para este “carnaval”!
vem-pra-urnaAo contrário do que tais anúncios e outros tantos meios de comunicação tentam nos vender, esse carnaval não vai ser colorido, não vai ser plural, não vai ser surpreendente e transformador como prometem ser os carnavais de fevereiro ou aquelas tais manifestações que insistem em não acabar. Essa festa vai ser bege, vai ser matinê, sem álcool, com hora para acabar e para terminar, bem marcada, regrada e delimitada.
Calma, calma, caro leitor! Não vou defender aqui o voto nulo (outro artigo vai), nem vou dizer que se é assim, que nos vendamos logo a essa política baixa e votemos apenas nos menos piores. O que eu quero defender aqui é: não, eleições não são a essência da festa da democracia; democracia é muito, mas muito mesmo, mais complexo do que uma simples urna. Continuar lendo

Publicado em Dossiê Democracia e Eleições | Marcado com , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

A esquerda sem futuro

Tem-se a impressão de que a esquerda está imobilizada, no nível da teoria e por conseguinte no da prática, pela ideia de que deve ficar o tempo todo revolvendo as entranhas do presente em busca de sinais de catástrofe e salvação. É melhor olhar para o pescrai e o maruflicchio com ironia infinita – uma ironia camponesa, com seu justificado desdém pelo futuro – do que apostar em uma política fundada, mais uma vez, em uma multidão de terracota que espera a hora de sair marchando do túmulo do imperador.” (T. J. Clark, Por uma esquerda sem futuro, pp. 18-19)

A multidão de terracota prestes a ressurgir.

A multidão de terracota prestes a ressurgir.

No começo de 2012, logo após, portanto, um ano em que viu-se reaparecer movimentos de massa em várias partes do mundo, um artigo escrito por um veterano crítico de arte ventilou polêmica nos meios da esquerda, especialmente a europeia e americana, mas sem deixar de alcançar nossas paragens (traduzido em tempo recorde para o português e lançado em livro pela Editora 34). Não era pra menos, uma vez que o artigo era, de fato, uma peça de polêmica aberta, um ensaio-manifesto cujo objetivo era propor uma reorientação estratégica de como a esquerda deveria se pensar e se apresentar na arena política mundial. E justamente por se dedicar à consideração e crítica de um elemento fundamentalmente cultural da tradição da esquerda, não poderia deixar de ser fonte de algum escândalo. A tese de T. J. Clark, o autor de tal artigo, era de que, para que pudesse se reinventar e se por novamente à altura dos desafios do nosso tempo, a esquerda deveria romper uma antiga aliança, entre ela e o futuro. Continuar lendo

Publicado em Política | Marcado com , , | 1 comentário

Olá, Senhor Comunismo!

O esloveno Slavoj Žižek é conhecido sobretudo pelas suas reflexões a respeito da ideologia, algo que eu procurei apresentar brevemente em um texto anterior, mas Žižek também possui a alcunha de “o filósofo mais perigoso do ocidente” e em grande medida isso deve-se ao fato dele ser uma voz ativa no debate político contemporâneo, ganhando bastante atenção, como no seu discurso ao movimento Occupy Wall Street, e abordando uma questão candente para a esquerda nas última décadas: “o que fazer?”. Mas que tipo de estratégia política podemos tirar de um pensador que têm entre os seus motes a ideia de que em vez de procurar agir o tempo todo devemos parar e pensar a respeito de nossa realidade contemporânea?

 

Žižek no "Occupy Wall Street"

Žižek no “Occupy Wall Street”

Continuar lendo

Publicado em Ideologia, Política, Uncategorized | Marcado com , , , , , , , | 1 comentário

A Copa das Críticas

Texto enviado ao blog pelo colaborador Alexander Englander

No início da tarde de hoje fui pedalar em Copacabana, como fiz algumas vezes durante essa Copa. Torcedores de diversos países perambulavam pelo calçadão. Pensando retrospectivamente acho que esse foi um modo que eu encontrei de participar da maior festa popular do futebol sem prestar nenhum tipo de apoio à Fifa, instituição que eu repudio de todo.  Pouco depois do Copacabana Palace um grupo de uns 50 argentinos cantava gritos de torcida e aglomerava brasileiros em sua volta. Saltei da bicicleta e fiquei ali observando uma animação que eu me acostumei a compartilhar em um Maracanã que já não existe mais. Logo em seguida ainda tive a honra de ser cumprimentado pelo inusitado Papa Don Diego de la gente. Foi a cereja do bolo, decidi ficar pela praia mesmo e assistir a final no telão do Fifa Fan Fest. Mas do lado de fora.

Ao contrário da falta de criatividade da embranquecida torcida brasileira que esteve nos estádios, a empolgação da torcida argentina na praia estava contagiante. Copacabana estava tomada pelos seus belos cantos quando Higuaín perdeu aquele gol feito eu me vi reclamando e torcendo junto com os hermanos. Eles eram a grande maioria na praia, mas também haviam mexicanos, colombianos, chilenos, noruegueses e brasileiros apoiando os nossos chamados “arquirrivais”. Se torcida ganhasse jogo, eu garanto, certamente eles seriam os campeões e a taça teria ficado nos solos de nuestra querida América Latina. Mas prevaleceram a competência tática e a evolução técnica do futebol coletivo da Alemanha. O craque do time alemão não é o atacante Müller nem o goleiro Neuer, é o espírito coletivo, é o time como um todo. E além de jogarem o futebol mais dinâmico da contemporaneidade eles ainda contaram com a sorte própria dos campeões. Que sirva de lição para o futebol brasileiro, porque nós podemos unir aplicação tática coletiva com habilidades individuais muito mais refinadas do que a dos alemães. Continuar lendo

Publicado em Crônicas | Marcado com , | Deixe um comentário

Gramsci sobre a Legalidade

LEGALIDADE

Antonio Gramsci,

Socialismo e Fascimo. L’Ordine Nuovo 1921-1922.

Até onde vão os limites da legalidade? E que momento deixam de ser respeitados? É certamente difícil fixar qualquer limite, dado o caráter bastante elástico que assume o conceito de legalidade. Para qualquer governo, toda ação que se manifesta no campo da oposição contra ele supera os limites da legalidade. Contudo, pode-se dizer que a legalidade é determinada pelos interesses da classe que detém o poder em cada sociedade concreta. Na sociedade capitalista, a legalidade é representada pelos interesses da classe burguesa. Quando uma ação busca atingir de algum modo a propriedade privada e os lucros que dela derivam, tal ação se torna imediatamente ilegal. Isso é o que ocorre no plano da substância. No plano formal, a legalidade se apresenta de modo diverso. Já que a burguesia, ao conquistar o poder, concedeu igual direito de voto ao patrão e seu assalariado, a legalidade foi aparentemente assumindo o aspecto de um conjunto de normas livremente reconhecidas por todos os segmentos de um agregado social. Houve então quem confundisse a substância com a forma, dando assim vida à ideologia liberal-democrática. O Estado burguês é o Estado liberal por excelência. Nele, todos podem expressar livremente seu pensamento através do voto. Na verdade, no Estado burguês, a legalidade reduz-se a isto: ao exercício do voto. A conquista do sufrágio pelas massas populares apareceu aos olhos dos ingênuos ideólogos da democracia liberal como a conquista decisiva para o processo social da humanidade. Jamais se levou em conta que a legalidade tem uma dupla face: uma interna, a substancial; outra externa, a formal. Continuar lendo

Publicado em Política, Uncategorized | Marcado com , , , , | Deixe um comentário